Antonio Israel Bruno

Eu choro tua partida e a minha quem chorou?A tua marcou-me a vida,a minha de quem marcou?

Textos


CARÊNCIA SEM REMÉDIO.
 
Ando, na carência, não há remédio,
Quanto, a alma sofre sentir meu eu.
Sei se que deste amor sentir tédio,
Provoca o sentir que desfaleceu.
 
Notar-se junto quando se sente só,
Separadas; as duas almas, numa,
Negrume d'alma se é sombras do dó,
Desamparado, o sofrer resuma.
 
É nostalgia, sentimento e dor
Falsas frases têm para si, poeta;
Demonstrando-se feliz, quando chora.
 
Destas lágrimas, intensas, corredor,
Sentir no peito da flecha a seta,
A moral na agudez, toda hora.
 
Barrinha 08 de maio de 2018
aibs1953@gmail.com
WathsApp 994504199
 
 
antonioisraelbruno
Enviado por antonioisraelbruno em 08/05/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras